A 9 de Maio de 1945, o Exército Vermelho decretava o "Dia da Vitória"

sexta-feira, 12 de agosto de 2011

REUNIÃO ORDINÁRIA DA ASSEMBLEIA MUNICIPAL DO DIA 27/06/2011

No período antes da ordem do dia e perante a presença do empresário Campomaiorense João Cachola e seus familiares, proprietários da empresa SANZÉ, que no dia 24 de Maio passado viu destruídas as suas instalações depois de um violento incêndio, o eleito da CDU enalteceu a coragem com que os mesmos enfrentaram essa complicada situação, para recuperar actividade normal da referida empresa e manter os seus importantes vinte e dois postos de trabalho. De seguida o eleito da CDU confrontou o presidente da Câmara com uma questão que lhe chegou ao conhecimento e que consiste no seguinte:um funcionário do Município do pelouro da Higiene e Limpeza, caiu do reboque que fazia a recolha do lixo doméstico e depois de estar hospitalizado alguns dias veio a falecer, recusando-se a companhia seguradora a pagar qualquer indemnização à família da vitima, o que achamos uma perfeita injustiça. Depois de confirmada essa mesma informação foi-nos garantido que a Câmara Municipal de Campo Maior continuava a bater-se para que fosse feita justiça, pelo que ficamos a aguardar por futuros desenvolvimentos desta preocupante questão.

O eleito da CDU voltou de novo ao assunto da insegurança que se continua a viver em Campo Maior e da “ocupação” da zona do Mártir Santo, que considera um insulto à civilização. Disse que esteve presente na reunião do dia 6 de Maio, aberta à população, depois de reunido o concelho municipal de segurança mas, apenas como observador e não quis intervir para não deitar mais achas para a fogueira, uma vez que os ânimos estava bastante exaltados e ele só poderia estar do lado dos queixosos e também por que estávamos próximo das eleições legislativas e não queria ser mal interpretado e acusado de populista. Mas a verdade é que com o aproximar das Festas do Povo é extremamente preocupante e vergonhoso, para nós Campomaiorenses que os visitantes da mais bela manifestação de cultura popular, que são as nossas festas, se deparem com aquela repugnante situação achando que teremos que continuar a lutar por encontrar uma solução que sirva os interesses de Campo Maior, dos Campomaiorenses e daqueles que ainda lá vivem.

Já no período da ordem de trabalhos, salientamos a coerente posição assumida pelo eleito da CDU em relação ao ponto 10, que tratava do aditamento ao contrato de concessão da exploração e gestão dos sistemas de distribuição de água para consumo público e recolha de efluentes do concelho de Campo Maior, tendo votado contra esta proposta, porque ela não serve os interesses de Campo Maior nem dos Campomaiorenses. Aliás, diga-se em a abono da verdade que desde que o anterior executivo decidiu entregar a exploração da água a uma empresa privada os eleitos da CDU manifestaram-se e votaram contra essa posição, e o tempo tem nos vindo a dar razão, devido ao aumentos dos encargos para o município e dos tarifários dos utentes desse mesmo serviço, que continuamos a pensar que era muito mais justo ser público.