A 9 de Maio de 1945, o Exército Vermelho decretava o "Dia da Vitória"

segunda-feira, 17 de novembro de 2014

Até sempre, camarada José Casanova


José Casanova na CURPI em Campo Maior

À família do camarada
José Casanova
À Direcção do PCP

Consternados com o desaparecimento físico do camarada José Casanova, os comunistas do distrito de Portalegre prestam sentida homenagem e curvam-se perante o seu grande exemplo de lutador intransigente em defesa dos trabalhadores e do povo português; exemplo forte de afirmação dos valores e princípios comunistas que marcam a sua intervenção como dirigente do Partido Comunista Português.

O desaparecimento físico do camarada José Casanova empobrece o nosso convívio e a nossa intervenção. Mas o seu exemplo de grande lutador e abnegado defensor dos trabalhadores e do povo e do seu/nosso Partido impelem-nos a prosseguir a sua luta que é a nossa luta em defesa dos nobres Valores de Abril para um Portugal mais justo e fraterno; a sua luta que é a nossa luta por um PCP mais forte ao serviço dos trabalhadores e do nosso país.

A Direcção da Organização Regional de Portalegre do Partido Comunista Português


15.Nov.2014

_______



José Casanova esteve em Campo Maior durante a apresentação do livro "A Reforma Agrária é Necessária" de António Gervásio em representação da Editorial Avante! 20 de Fevereiro de 2010.


_______



Nota do secretariado do Comité Central do PCP


O Secretariado do Comité Central informa que faleceu hoje, após doença grave, José Casanova, membro do Comité Central do Partido Comunista Português.

José Casanova nasceu no Couço em 1939, onde desde muito novo viveu acontecimentos da luta antifascista nesta terra de resistência dos trabalhadores e do povo contra a exploração e a opressão, pela liberdade e a democracia.

Aderiu ao Partido Comunista Português em 1958, com 19 anos, e as suas primeiras actividades políticas foram desenvolvidas na União da Juventude Portuguesa, de cuja Direcção fez parte.
Assumiu como jovem comunista papel destacado nas candidaturas democráticas de Arlindo Vicente e Humberto Delgado em 1958. Desempenhou tarefas partidárias em vários pontos do País nas décadas de 50 e 60 do século XX.

Preso pela PIDE em 1960, julgado e condenado a dois anos de prisão, foi sujeito às chamadas “medidas de segurança” que o forçaram a permanecer cerca de seis anos nas prisões fascistas.
Entre 1971 e 1974, José Casanova esteve exilado na Bélgica, prosseguindo aí a sua actividade partidária, quer junto dos emigrantes portugueses – foi Presidente da Associação dos Portugueses Emigrados na Bélgica – quer em contactos com os movimentos de libertação das ex-colónias: MPLA, PAIGC e FRELIMO.

Regressado a Portugal em Abril de 1974, assumiu tarefas partidárias na Organização Regional de Lisboa.

Membro do Comité Central do PCP desde 1976. Foi membro da Comissão Política de 1979 a 2008. Entre outras tarefas foi responsável pela Organização Regional de Lisboa de 1989 a 1996 e pela Organização Regional de Santarém entre 1997 e 1998.

José Casanova foi director do “Avante!”, Órgão Central do PCP, entre 1997 e Fevereiro de 2014. Actualmente era responsável pela Comissão Nacional da Cultura.

Salienta-se ainda a sua produção no campo literário, com os romances “Aquela Noite de Natal”, “O Caminho da Aves” e “O Tempo das Giestas”, bem como com outras obras, nomeadamente o livro sobre Catarina Eufémia, recentemente editado, e diversos trabalhos e participações.

José Casanova faleceu. Deixa-nos a sua intervenção dedicada como militante e dirigente do PCP nas mais diversas tarefas e responsabilidades e a sua sensibilidade e contribuição no plano cultural. A melhor homenagem que lhe podemos prestar é prosseguir a luta do seu Partido de sempre, o Partido Comunista Português, ao serviço dos trabalhadores, do povo e do País, pelo ideal e projecto comunista.

À família do camarada José Casanova, o Secretariado do Comité Central do PCP endereça as suas mais sentidas condolências.

15 Novembro 2014

Sem comentários: