A 9 de Maio de 1945, o Exército Vermelho decretava o "Dia da Vitória"

sexta-feira, 22 de junho de 2012

Cavaco Silva, PSD, CDS/PP, UGT e PS aprovam mais trabalho forçado e gratuito



As graves alterações ao código do trabalho agora promulgadas pelo Presidente da República (Cavaco Silva). Já antes tinham sido aprovadas na generalidade pela maioria PSD, CDS/PP (à excepção de José Ribeiro e Castro do CDS/PP) e contaram com a abstenção do Partido Socialista (numa atitude de quem não é de esquerda e se recusa a defender os trabalhadores e os mais desfavorecidos) (votou contra a deputada Isabel Moreira do PS).

Ao lado do PCP e contra este gravíssimo ataque aos trabalhadores, com a aplicação de mais trabalho forçado e gratuito esteve o PEV e BE. Votando contra. Recorde-se que a CGTP-IN não assinou este documento por ser prejudicial aos trabalhadores (para que serve uma Central Sindical, como a UGT, que defende os patrões?).

O PS, que se tinha abstido de proteger os trabalhadores alinhando com a UGT em defesa dos patrões e do "acordo" assinado com a TROIKA, aprofundou os retrocessos sociais e civilizacionais votando favoravelmente na especialidade:

Da redução do direito de descanso compensatório;

Redução para metade do pagamento do trabalho suplementar, nos dias de descanso semanal e feriados;

Facilidade do contrato de trabalho de muito curta duração (favorecendo a precariedade);

Despedimento por inadaptação e da redução das indemnizações por despedimento;

Do banco de horas;

Roubo de 3 dias de férias e do ataque à contratação colectiva.

O PS proclama a defesa dos trabalhadores mas promove o agravamento das condições de vida para quem trabalha em Portugal.

Esta atitude do Presidente da República, «desrespeito absoluto pelo juramento de cumprir e fazer cumprir a Constituição» pois «estas alterações são profundamente inconstitucionais» colocando o Presidente «fora da lei fundamental».

Esperamos que o povo e os trabalhadores, com o apoio do PCP e CGTP-IN, saibam dar resposta a estas medidas injustas e muito graves.

Sem comentários: